Dúvidas Cabeça #01 - Que fim levou o SEGA SATURN?


FALA OURIÇADA!!!
Hoje o LSH 2.0 vai falar sobre um dos últimos consoles lançados pela SEGA.

O SEGA SATURN foi um console de videogame de 32 bits lançado primeiramente pela Sega em 22 de Novembro de 1994 no Japão, em 11 de Maio de 1995 na América do Norte e em 8 de Julho na Europa e Austrália. O console foi descontinuado na Europa e Austrália em 1998, em Abril de 1999 na América do Norte e em 4 de Dezembro de 2000 no Japão. Tornou-se um console popular no Japão devido à seu marketing de sucesso, com o personagem Segata Sanshiro criado especialmente para o marketing do Sega Saturn, porém ele não conseguiu repetir o sucesso na América do Norte e Europa frente seus concorrentes, Playstation e Nintendo 64. De acordo com o artigo da revista americana GamePro em Julho de 2007, o Saturn vendeu 9,5 milhões de unidades. O grupo de desenvolvedores da Sega, Away Team, de 27 membros, composto por funcionários de engenharia de hardware, desenvolvimento de produtos e marketing trabalhou por dois anos para projetar o hardware do Sega Saturn. O Saturn, era uma máquina poderosa para a época, mas seu design, com duas CPUs e outros seis processadores, tornou extremamente difícil o aproveitamento do seu potencial. Além disto, muitos outros chips auxiliares do sistema eram componentes do tipo "off the shelf", aumentando a complexidade do sistema, pois os componentes não foram projetados para funcionar em conjunto. Rumores sugerem que o projeto original previa apenas um único processador central, mas quando a Sega conheceu o projeto do Playstation, resolveu introduzir outros processadores no final do desenvolvimento, visando aumentar o desempenho . O desenvolvimento de softwares por parte de terceiros, foi inicialmente prejudicado pela falta de bibliotecas de software e ferramentas úteis para o desenvolvimento, exigindo que os desenvolvedores programassem em linguagem assembly para alcançar bom desempenho. Pelo menos durante o desenvolvimento precoce do Saturn, a programação em conjunto poderia oferecer de duas a cinco vezes mais velocidade sobre a linguagem C. Para poupar custos e tempo de desenvolvimento, alguns programadores utilizaram apenas uma CPU. Um destes casos foi Alien Trilogy. A implementação de duas CPUs no Saturn não era o ideal. A maior desvantagem da arquitetura foi a de que ambos processadores compartilhavam o mesmo bus e isto gerou problemas para acessar a memória RAM principal ao mesmo tempo. 4KB de memória cache para cada CPU foi fundamental para manter a performance. Em geral, a divisão de processamento exige muito cuidado, pois além da tarefa já desafiadora de paralelização do código, obrigou os desenvolvedores a tirar o máximo proveito do Sega Saturn. Um exemplo de como o hardware do Saturn foi utilizado de maneira diferente, foi com Virtua Fighter, onde uma CPU gerencia cada personagem. Ao contrário do Playstation e Nintendo 64 que usam triângulos como suas formas básicas geométricas primitivas, o Saturn renderiza quadriláteros. Isso provou ser um obstáculo, porque a maioria das ferramentas de design padrão da indústria foram baseadas em triângulos. Um dos desafios foi formar figuras renderizadas baseadas em quadriláteros com formas diferentes, especialmente objetos triangulares. Isso pode ser claramente visto em Tomb Raider, no qual as rochas triangulares não são bem formadas, ao contrário de versões em outros sistemas de jogo,[5] como Playstation e PC. O hardware do Saturn também não possui tratamento a fontes de luz (como transparência) e descompressão de vídeo, sendo este útlimo uma das principais desvantagens no tempo em que jogos full-motion videos eram muito populares, como Mad Dog e Crime Patrol. Ainda assim, se usado corretamente, a renderização quadrilateral do Sega Saturn tinha vantagens. Ela podia mostrar menos distorção de texturas do que alguns títulos de Playstation, como demonstrado por vários títulos multi-plataforma, como Wipeout e Destruction Derby. O sistema de hardware de figura quadrilateral e 50% a mais de memória de vídeo também deram ao Saturn uma vantagem para os jogos 2D e atraiu desenvolvedores de RPGs, jogos de arcade e tradicionais jogos 2D de luta. Com uma programação criativa, mais tarde, jogos como Burning Rangers foram capazes de conseguir efeitos de transparência verdadeiros, em um hardware que usa polígonos simples stipples para substituir efeitos de transparência já usados no passado. Um slot de cartucho foi introduzido para adicionar memória RAM extra ou dispositivos para armazenamento de saves de jogos do sistema. Um cartucho ROM foi lançado juntamente com The King of Fighters '95, que continha parte dos dados de jogo, pois não havia memória RAM disponível. Dois cartuchos expansores de memória RAM foram lançados para o sistema, um cartucho de 1MB pela SNK para The King of Fighters '96 e um cartucho de 4MB pela Capcom para X-Men vs. Street Fighter e Marvel Super Heroes vs. Street Fighter. Ambas empresas eram conhecidas por seus jogos de luta baseados em sprites 2D e muitos de seus jogos subsequentes utilizaram seus respectivos cartuchos.

Na AMÉRICA DO NORTE, Até o final de 1994, o sistemas mais populares eram os 16 bits na América do Norte, e no Japão os jogadores já estavam ansiosos pelas novas máquinas de 32 bits. No início de 1995, o presidente da Sega, Tom Kalinske anunciou que o Sega Saturn seria lançado nos Estados Unidos no dia conhecido como SaturnDay, sábado, 2 de Setembro de 1995. Esta data foi muito esperada pelos jogadores e mídia especializada. Permitiu também a Sony anunciar que a data de lançamento do Playstation seria uma semana mais tarde, 9 de Setembro de 1995. No entanto, na primeira Electronic Entertainment Expo (E3), em maio de 1995, Kalinske anunciou que o SaturnDay era uma farsa e que o sistema estava sendo lançado em todo o país por alguns varejistas a serem selecionados imediatamente (11 de maio de 1995). Parecia que a Sega teria uma oportunidade real de liderar por 4 meses a corrida dos 32 bits, batendo o Playstation no mercado. No entanto, o ataque surpresa lançado pela Sega saiu como um tiro pela culatra por várias razões. O Saturn foi lançado ao preço elevado de 399 dólares americanos, enquanto a Sony anunciou o preço do Playstation na E3 de 299 dólares americanos, em si, como uma resposta ao lançamento do Saturn. O lançamento precoce também fez com que o Saturn também tivesse apenas poucos jogos disponíveis em seu lançamento, como os jogos de empresas terceiras foram programados para serem concluídos e implementados na data original, 2 de setembro, e como muitos títulos de sucesso japonês não haviam sido importados, os desenvolvedores ficaram irritados com o lançamento surpresa, impedindo-os de aproveitar a dinâmica inerente a um lançamento planejado e esperado. Essencialmente, os softwares disponíveis no lançamento do Saturn eram produzidos pela própria Sega, como Virtua Fighter e Daytona USA. Muitos na indústria de jogos viram o lançamento rápido como um movimento calculado pela Sega para alavancar as vendas de software do Saturn, à custa de desenvolvedores independentes. Além disto, alguns varejistas não foram incluídos no lançamento precoce (principalmente Wal-Mart e KB Toys) e se sentiram traídos, com alguma retaliação pelos rivais da Sega. Isto resultou em dificuldades para a Sega com as distribuidoras do Saturn (e também para seu sucessor, Dreamcast. Por exemplo, os acionistas da KB Toys ficaram tão irritados que se recusaram a liberar o Saturn para vendas, e realmente, foi tão longe que alguns varejistas removeram qualquer coisa relacionada com a Sega nas lojas, para proporcionar mais espaço de varejo para os competidores do Saturn em seu lugar. Na época do lançamento do Playstation em 9 de Setembro de 1995, o Saturn havia vendido aproximadamente 80 mil consoles. O Playstation vendeu mais de 100 mil unidades, no lançamento dos Estados Unidos e o sonho de dominação da Sega no início de uma nova geração de hardware foi rapidamente esquecido. De 1995 a 1997, o Saturn tornou-se apenas o terceiro sistema em vendas, distante de Nintendo 64 e Playstation. No entanto, era o sistema preferido para jogos vindos do Arcade e muitos jogos japoneses. As vendas do Saturn, em geral, foram mantidas conforme novas conversões de jogos de Arcade foram lançadas, mas caíram pouco depois. Até o final de 1997, a Sega anunciou que iria desenvolver um sucessor (Dreamcast), fazendo com que as vendas do Saturn e lançamento de jogos caíssem drasticamente. O fracasso comercial do Saturn causou uma perda à Sega de 267,9 milhões de dólares americanos e a demissão de 30% de sua força de trabalho. O Saturn fez um sucesso relativo no Brasil. No início foi lançado pela Tec Toy ao preço de R$ 800,00 (numa época em que o salário mínimo era de apenas R$ 74,00), porém teve seu preço bastante reduzido quando chegou a lojas de departamento e super mercados, sendo vendido por R$350,00 em 1998. A verdade é que uma das coisas que dificultou a popularidade e o estímulo do consumidor, em adquirir um Saturn, foi o sistema antipirataria do video game que impedia facilmente o uso de jogos falsificados (que eram bastante baratos), forçando o consumidor a adquirir jogos originais que tinham um preço bastante elevado ou destravar o console, o que também custava caro. Para comparação, o PlayStation, seu maior concorrente, teve um desempenho incrível no Brasil, graças a facilidade de se encontrar jogos falsificados a um preço muito mais acessível para a maior parte da população. Mesmo assim, a popularidade de jogos como Virtua Fighter, Virtua Cop, Nights e Sega Rally Championship ajudaram muito nas vendas do Saturn no início, sendo que outros jogos como Riven (em versão especial da Tectoy traduzido para o português), Sonic R, lançamentos da SNK (como The King of Fighters 96 e 97 e Samurai Shodown) e da Capcom (Street Fighter Zero 2 e X-Men vs. Street Fighter), além dos hits Virtua Fighter 2 e Virtua Cop 2, garantiram uma sobre vida para o Saturn em relação ao resto do mundo, sendo ainda encontrado em grandes lojas até o fim do ano de 1999. A quantidade de consoles vendidos pela Tec Toy no Brasil nunca foi divulgada, mas estima-se que a cifra supere a 1,000,000 de consoles produzidos e vendidos. Também há de se notar que muitos consoles no Brasil (em especial as primeiras unidades) são de origem americana, importados em regime de CKD . Outra peculiaridade da história do Saturn no Brasil, foi que, no fim de 1998 e durante o ano de 1999, a Tec Toy parou de produzir o Saturn e passou a importá-lo em lotes direto da fábrica da SEGA no Japão. O máximo que a Tec Toy fazia com esses consoles, era transcodificar o sistema de imagem de NTSC-J para PAL-M, que é o sistema padrão de televisão do Brasil, e apagar a frase "This is cool". Graças a esse fato, o Brasil foi o único país ocidental a receber versões do Saturn na cor branco e do Saturn Skeleton (transparente esverdeado ou trasnparente azulado). Há de se notar também que diversos jogos que não foram lançados nos Estados Unidos foram lançados no mercado brasileiro pela Tectoy.

QUE FIM LEVOU O SATURN?
O Sega Saturn foi descontinuado em 1999, dois anos antes do Dreamcast. O desenvolvimento do Sega Saturn foi composto de muita especulação, já que não era costume das empresas divulgarem muitas informações concretas durante o desenvolvimento de seus produtos. Em meados de 1991 apareceram diversas notícias sobre um novo console em desenvolvimento pela Sega chamado GigaDrive, que seria baseado na nova placa System 32 que começava a ser utilizada nos fliperamas da época. Do mesmo modo que o Mega Drive foi originado da placa System 16, fazia sentido acreditar que o GigaDrive estivesse sendo desenvolvido utilizando a System 32 como base. Mas o tempo passou e nunca ocorreu uma confirmação oficial sobre o GigaDrive vindo da Sega. Em 1993 começaram a aparecer rumores sobre dois projetos separados de 32-bit da Sega: o Jupiter , á base de cartuchos, e o Saturn, á base de CDs. Especificações técnicas mostravam que o console havia sido projetado para ser a plataforma mais poderosa disponível na época para jogos 2D. Ao mesmo tempo a Sony apresentava seu Playstation, um poderoso videogame focado especialmente em jogos 3D, pegando a Sega desprevenida. Gráficos 3D bem elaborados eram privilégios das caras placas usadas em fliperama, se a SONY realmente conseguisse colocar essa tecnologia em um videogame a um preço acessível com certeza seria o fim do Saturn. Tentando resolver essa situação, as especificações técnicas do Saturn foram alteradas com a adição de novos processadores, agora dando maior suporte à polígonos e ao processamento de gráficos 3D. O Sega Saturn agora estava pronto para competir com o Sony Playstation. O Jupiter se tornou o periférico do Mega Drive chamado Sega 32X, que teve pouco sucesso e jogos desenvolvidos. O Sega Saturn foi lançado no Japão em 22 de novembro de 1994 e inicialmente obteve grande sucesso, chegando a mais de 500.000 unidades vendidas até o Natal do mesmo ano. Nos Estados Unidos o início não foi tão bom. Na feira E3 em maio de 1995 a Sega pegou todos de surpresa quando anunciou que o Saturn começava a ser vendido com seis meses de antecedência, só que poucas lojas haviam recebido o console e ainda havia o problema da pouca diversidade de jogos disponíveis para o lançamento. Com preço inicial de US$399, a Sega já enfrentava o seu primeiro revés ali mesmo na E3, quando a Sony anunciou que mantinha a data de lançamento do Playstation para o final do ano mas a um preço de US$299. Mesmo baixando o preço do console e criando promoções a Sega não conseguiu muito sucesso com o Saturn nos Estados Unidos, mas no Japão o Saturn é um dos consoles mais bem-sucedidos da empresa, e se manteve na liderança até o lançamento do jogo Final Fantasy VII para o PlayStation em 1997, mas manteve a segunda posição frente ao concorrente Nintendo 64 durante toda a sua vida. Em 1999 o Saturn foi descontinuado em favor do Dreamcast.
Fonte: WIKIPEDIA

Postagens mais visitadas