Naruto: Fim de uma era, começo de um legado

Salve pessoas! Dia 21 de setembro de 1999, 15 anos atrás, no milênio passado (e um ano antes de mais um provável fim de mundo) um monstro atacou o Japão e, o que poderia ser uma tragédia, tornaria-se, pouco tempo depois, o maior sucesso dos últimos tempos nos quadrinhos da pequena ilha nipônica. Nasceu Naruto, o ninja favorito do mundo até os dias atuais.

Ao longo de sua carreira, o título acumulou vários recordes. É o anime mais lucrativo da TV Tokyo, superando até Pokémon. Conta com quase 140 milhões de cópias vendidas somente no Japão; na França, dados do ano passado falam em 13 milhões de exemplares vendidos. No mesmo ano a revista License! Global o nomeou como 140ª marca com mais licenças no mundo pela Viz Media. Somente até 2008, 90 países já tinham direitos de exibição da série de TV e 23 do mangá. Não é pra qualquer um.

Por muito tempo o título esteve no topo da Shonen Jump semanal como o mais vendido, mas após seu volume 31 é que começou a distribuir mais de um milhão de cópias e entrou em definitivo para a pequena lista dos que conseguiram esse feito. O anime, produzido pelo falado estúdio Pierrot, conquistou os quatro cantos do globo sendo exibido em mais de 100 países, fato que fez o mangá ir de norte a sul do planeta. No entanto, como popularidade não mensura qualidade, é importante falar da obra em si.




Certa vez, um monstro raposa de nove caudas apareceu. O poder de suas caudas era capaz de destruir montanhas e causar os mais terríveis tsunamis! Para combater tal ameaça, as pessoas chamaram os shinobis. Um deles sacrificou sua vida para derrotar e selar o temível monstro… Este homem foi chamado de quarto hokage.

Em Naruto somos apresentados ao costumeiro universo ninja tão admirado e abordado em obras japonesas. Conhecemos, logo de cara, o nosso protagonista e ninja hiperativo número 1 de Konoha, vila da folha.

Naruto Uzumaki é um garoto que tem um sonho: se tornar hokage. Problemático, usa todas as ferramentas ao seu alcance para chamar atenção de seus superiores e mostrar o quão incrível ele é! Além de causar problemas, ele adora lamen e isso é uma informação importante. Entretanto, na verdade, é só um garoto atrapalhado que reprovou duas vezes na tentativa de se tornar um ninja. Além disso, Naruto é odiado por imensa parte da vila por ser o recipiente do monstro que quase destruiu o vilarejo anos atrás, isso o torna um tanto solitário. E essa solidão o aproxima de seu melhor amigo e rival.

“Sasuke: O cara mais popular da sala… Sempre se achando… Eu odeio esse idiota mais que qualquer um!

Sasuke Uchiha é apresentado, inicialmente, como o popular garoto sombrio. A princípio, ele é o tipo de cara que você realmente odiaria de ter por perto. Com tudo, ao passar do tempo, torna-se um dos personagens mais interessantes e importantes da história. Assim como Naruto, o Uchiha não tem pais, mas sua forma de lidar com isso foi totalmente oposta ao do colega (e concorrente) de time: Ódio e vingança.

“Meu nome é Sasuke Uchiha. Há bastante coisa que eu não gosto e poucas que gosto. E o que tenho não é um sonho, mas sim uma ambição. Ressuscitar o meu clã e… destruir um certo homem.”

Entre os dois, está Sakura Haruno, a kunoichi da equipe. Nos capítulos iniciais, Sakura demonstra-se apenas interessada em Sasuke e pouco de sua história é realmente explorada. Os pontos de destaque dela são sua inteligência e senso de responsabilidade com a equipe, que acabou sendo essencial em alguns pontos da primeira fase do enredo. Pode-se dizer que de primeiro momento ela é a componente feminina na mistura típica de um mangá para garotos. Ainda se destacam outros personagens importantes para o enredo, como Kakashi Hatake que apesar de ser um professor preguiçoso é também um jounin habilidoso portador de um passado um tanto perturbador que apenas com o aprofundamento da história começamos a entender melhor.

Toda a história é conduzida nas mãos de Masashi Kishimoto que, de fininho (e contra a vontade), apresentou uma forma diferente de ver o mundo ninja. Desenvolveu uma receita única que fez de sua criação uma das mais importantes obras do gênero da história. E aqui pego o gancho pra falar de alguns pontos incisivos no sucesso de Naruto e na beleza de seu enredo. Apesar de termos um mundo em guerra, sombrio e cheio de ódio, encontramos personagens inteiramente humanos, por assim dizer. Muitas vezes vemos os ninjas mais velhos dando lição de moral sobre o que é ser um shinobi de verdade e poucas vezes essas lições trazem humanidade. Entretanto, não são raros os momentos que vemos um ou outro chorando, se arrependendo de alguma coisa e voltando atrás de decisões (coisas que acontecem até com os vilões mais frios). Talvez essa seja a característica que mais aproximou Naruto de seus leitores: A contradição.

Engraçado que esse também é o ponto em que Naruto é mais criticado, principalmente pelas atitudes de Sasuke Uchiha. No entanto, isso é o que aproxima o universo de Kishimoto do nosso. Nós mudamos de opinião sobre as coisas, temos arrependimentos e fraquezas. Os ninjas também. Claro que existem as chamadas pontas soltas que acabam se resolvendo de um jeito tão simplista que receberam o carinhoso apelido de “Kishimoto no jutsu”, mas eu sou do time que defende que tudo que aconteceu estava nos planos dele desde o início e se analisados com cuidado, os capítulos iniciais e finais provam isso. A verdade é que é quase impossível um enredo tão detalhado e que se segue há tantos anos não deixar passar algo.


MAS ENFIM, POR QUE NARUTO DEIXARÁ SAUDADES?
É normal que depois de anos acompanhando alguma coisa ela se torne especial para você, mesmo que seja algo banal aos olhos de muitas pessoas. Singularmente ela tem um valor. E é assim com Naruto.

Eu sentirei falta, principalmente, da fase clássica. O clima entre o time sete passava-me uma sensação de uma aventura que eu nunca vivi, mas sempre tive a vontade de enfrentar. Um clima de companheirismo mútuo e de dedicação grupal que pouco se vê hoje em dia. A rivalidade de Sasuke e Naruto era como aquele amigo que disputa a melhor nota com você na pré-escola, ou qualquer outro rival que não conseguia odiar. Tudo isso, realmente, trazia-me um clima nostálgico e familiar. Irei lamentar não acompanhar mais as batalhas sentimentalistas que, até então, não costumava ver com frequência em outros títulos do mesmo segmento.

Quem há de esquecer-se da luta na ponte Naruto, os primeiros inimigos de nosso grupo de ninja? A força de vontade do Haku em servir ao seu “salvador”, a ganância de um homem. Eu nunca tinha visto algo tão intenso. Tanta força sentimental e dramática foi a chave para tornar-me, de fato, um fã da história. E essa sensação continuou. A batalha contra Orochimaru, onde somos apresentados a um dos vilões mais completos e bem bolados de todo enredo. O exame chunnin está repleto de momentos inesquecíveis, pois é a partir dessa fase que Naruto realmente começa. Uma série de acontecimentos repentinos implode, finalmente, na batalha do vale do fim.

E pergunto de novo: Quem há de esquecer a batalha no vale do fim? Talvez seja esse o evento mais importante de toda história do mangá Naruto. A partir dali, a narrativa se modificou, os personagens amadureceram abruptamente (alguns mais que outros) e passamos a acompanhar de perto a evolução dos times principais. A fase Shippuden (apenas no anime é chamada assim) deixará saudade pela evolução dos conflitos e os novos personagens apresentados. É aqui que finalmente conhecemos o grupo terrorista denominado Akatsuki, onde estão inclusos personagens muito importantes para a história principal, como Itachi Uchiha, irmão de Sasuke, que assassinou toda a família, deixando o peso restante desse ato para o mais novo. O acerto de contas acontece durante essa fase, marcando assim uma das batalhas mais épicas de toda a série.

Sentirei saudades dos “hum” de Deidara, dos tragos do Asuma (e do filho dele e Kurenai que, se tivermos sorte, aparecerá novamente no último capítulo) e dos Livros de Jiraiya que Kakashi tanto amava. E o que dizer das loucuras de Gai e Rock Lee? Personagens que começaram com características banais, mas que logo caíram no nosso gosto tornando-se essenciais para diversos momentos.

Além de tudo isso, Naruto deixará saudades por que poucas vezes um título conseguiu unir tantas pessoas em torno de si. Ele foi o primeiro a abocanhar tanta popularidade em plena era digital (acumulando recordes e mais recordes de downloads ilegais). Raros são os animes que conseguiram render discussões acaloradas e sacrifícios para acompanhar de alguma forma. Quantos converteram tantos fãs e inúmeros depreciadores?

Naruto tem o seu legado e cegos são os que negam isto. Para os amantes, um título incomparável; para os demais, um que merece respeito. E que venha as emoções dos capítulos finais, porque de uma forma ou de outra, valeu a pena, dattebayo!

Fonte: ANMTV

Postagens mais visitadas