DÚVIDAS CABEÇA #37: Dream Theater apresenta seu melhor trabalho!

Salve pessoas! Depois de muita expectativa, finalmente o 13º álbum de estúdio da banda estadunidense DREAM THEATER está entre nós. "The Astonishing" foi lançado no último dia 29 de Janeiro e foi muito bem avaliado por muitas revistas e sites especializados em Hard Rock/Heavy Metal na Europa. Juntando elementos de música clássica com o metal progressivo (característico do DT), o álbum provou que pode ser uma "Obra-Prima", assim como foi "Scenes From a Memory". Por esse motivo, "The Astonshing" é o tema de hoje do nosso DÙVIDAS CABEÇA.

Lembrando a todos que alguns trechos foram extraídos da Wikipedia.



DO RASCUNHO AO DISCO
Em meados de 2013, o guitarrista John Petrucci começou a escrever uma história para um álbum conceitual, apresentando-a ao resto da banda cerca de um ano depois. A banda e a gravadora se mostraram receptivos à ideia. Petrucci comentou isso dizendo:

"Todo mundo tinha o "vai nessa" mentalmente. E desde o primeiro encontro que tivemos com Dave Rath na Roadrunner, quando eu apresentei isso e até disse o título, ele ficou 100% dentro. O envolvimento de todo mundo na Roadrunner foi absolutamente inacreditável, tão apoiador. Meio que acendeu o nerd secreto em todos nós que amamos esse tipo de coisa, porque é divertido, é diferente."

A música do álbum começou a ser escrita em janeiro de 2015 no Estúdio Cove City Sound em Long Island, Nova Iorque, onde a banda também gravou seus dois álbuns anteriores. John e o tecladista Jordan Rudess escreveram a maior parte do material enquanto que o compositor David Campbell (que também colaborou com o X Japan) os ajudou com aspectos da orquestração como as linhas das cordas e corais. Dave mais tarde disse a John que foi o maior projeto em que ele já havia trabalhado.

Em agosto, o vocalista James LaBrie começou a gravar suas partes. Cantando como múltiplos personagens, ele se deu a missão de criar interpretações únicas de cada um, com John oferecendo-o conselhos e observações esporadicamente. Em julho, a banda pausou as atividades em estúdio para fazer alguns shows na Europa, mas continuaram a escrever enquanto estavam caindo na estrada. As gravações foram completadas ao final de setembro, com a mixagem começando no mês seguinte.


A história The Astonishing se passa no futuro, no ano 2285. É centrada em um bando de rebeldes que tentam derrubar um império opressor, com a musica desempenhando um papel central. Em janeiro de 2016, todos os personagens haviam sido revelados: Imperador Nafaryus, Imperatriz Arabelle, Daryus e Faythe do Grande Império do Norte; Evangeline, Gabriel, Arhys e Xander da Milícia Rebelde Ravenskill.

Sendo assim, o Dream Theater começou a campanha de marketing para The Astonishing em outubro de 2015, convidando visitantes do site oficial deles a escolherem entre a mala direta do "The Great Northern Empire" ou a do "The Ravenskill Rebel Militia". Os registrantes eram então avisados sobre as novidades postadas no perfil no Twitter do lado que escolheram.

No começo de novembro, a banda anunciou o título do álbum e lançaram um site promocional que sugeria que se trataria de um álbum conceitual. O site pouco a pouco foi revelando elementos da história do álbum, incluindo personagens, mapa e a lista de faixas. No mesmo mês, anunciaram algumas datas de uma turnê europeia para o início de 2016, e que o álbum seria tocado na íntegra. Em dezembro, foi anunciado que o álbum seria lançado em 29 de janeiro, com várias edições especiais sendo colocadas em pré-venda, incluindo uma versão de luxo com um modelo de NOMAC (algo referente ao álbum e citado no título de uma faixa e no site oficial) em 4D feito a mão.



Em 03 de Dezembro de 2015, a banda solta no YouTube a primeira faixa de trabalho do álbum, "The Gift of Music". Em 22 de Janeiro, é liberada a faixa "Moment of Betrayal". Porém, uma semana antes do lançamento, ocorre o vazamento do álbum inteiro na internet, e muitos sortudos (como a Sayanee) puderam conferir em primeira mão. Finalmente, em 29 de Janeiro de 2016, "The Astonishing" foi lançado, através da Roadrunner Records.


DOIS ATOS: UMA HISTÓRIA
Há momentos em que a banda está no seu melhor estilo ProgMetal e há uma série de pistas que de fato são memoráveis. O primeiro single do álbum e faixa principal de abertura, "The Gift of Music" está repleta de virtuosismo e melodia, e o faz dando o tom em um bom trabalho. Uma das melhores faixas "A Life Left Behind" começa com uma peça acústica brilhante por Petrucci antes de passar para um arranjo de jazz aparentemente tirada de um álbum solo Rudess. O gancho no refrão é a melhor do álbum. "Chosen" é uma das baladas mais destacadas que a banda já escreveu e é uma daquelas melodias repetidas que aparece em todo o álbum. Deve ser o momento de iluminação do público no show. "A New Beginning" é uma exaltação a um monte de improvisação bluesy do Petrucci.

Disco 2 começa com "Moment of Betrayal", que está destinada a ser a música que a maioria dos "obstinados do Dream Theater" escolherão como seu favorito. Grande parte do resto do disco 2 é encarregado de mover ao longo da história. Há algumas "músicas totalmente fechados", em vez mais peças que levam em outras partes, além de da "Our New World", que está preparado para o tratamento single de rádio. Tudo isso leva até a faixa-título de encerramento épico que traz tudo para um desfecho climático e comovente, igual às músicas de graduação do AKB48 misturado com o final de "Skill" (JAM Project).

Em outras palavras, "The Astonishing" tem tudo para ser o melhor álbum do ano, mas ainda tem o "Dystopia" (Megadeth) que já foi lançado, ainda vai ter o "Amaranthus"/"Hakkin no Yoake" (Momoiro Clover Z) e até o "Metal Resistance" (Babymetal) e muita coisa legal esse ano. "The Astonishing" vale a economia que você juntou durante o ano para ter um álbum de boa qualidade, muito bem produzido e com boa mixagem feita por Richard Chycki.

O som da bateria é o mesmo de "Images and Words", e além disso, pela primeira vez, desde "When Dream and Day Unite", não teremos faixas muito longas (com mais de 10 minutos de duração), mas em compensação, é o álbum do DT que tem o maior número de faixas até agora (34 no total). Segundo o site Whiplash, este é o melhor trabalho do vocalista James LaBrie, que conseguiu a proeza de interpretar 8 personagens diferentes. Em SFaM, ele já havia feito uns 3 ou 4. A banda já havia trabalhado anteriormente com arranjos de orquestra em "Octavarium" e "Illuminaton Theory", mas The Astonishing possibilitou a participação da Orquestra da Cidade de Praga para ajudar nos Arranjos feitos por Campbell.

O resultado final pode ser satisfatório pra quem estiver ouvindo o álbum do início até o fim. Por isso, o LSH recomenda este álbum e o enredo pode agradar até os fãs de Animes e Mangás.

Este foi mais um DÚVIDAS CABEÇA, hoje falando sobre "The Astonishing", que já está à venda nas lojas e também pela Google Play. Até a próxima!

Fonte: PROGREPORT

Postagens mais visitadas